Tudo o que você precisa, você já tem.

Este é um ditado Zen que pode ser traduzido em um número de maneiras, tudo a ver com o contentamento . Mas o meu favorito é a tradução:

Tudo que você precisa, você já tem."


Eu acho que é uma maneira tão bonita de olhar a vida.
Como você está aqui lendo este post, faça uma pausa e inicie uma avaliação da sua vida agora. As possibilidades são, você tem comida suficiente, roupas, abrigo e outras necessidades básicas em sua vida. Você também pode ter entes queridos, as pessoas que se preocupam com você. Você é (principalmente) confortável, sem quaisquer necessidades desesperadas. Tudo que você precisa, você já tem.
E, no entanto, não vemos a vida desta forma ... estamos insatisfeitos, à procura de mais conforto, mais amor, mais conhecimento, mais certeza, mais posses, mais comida, mais entretenimento, mais validação dos outros. Eu faço isso também - não estou criticando. Nós muitas vezes não incorporamos a ideia de que nós já temos o suficiente.
Se nos lembrarmos de fazê-lo, podemos dar graças por aquilo que temos. Podemos apreciar a beleza, a preciosidade, de cada momento, de estar vivo. É um milagre!
Então, para mim, a questão é: como podemos aprender a incorporar essa ideia?
"Tudo que você precisa, você já tem."
Aqui demonstro uma forma bem pensada de como incorporar essa ideia:
É bom dizer que temos tudo que precisamos, mas o que isso significa na prática? Que ações podemos tomar para nos ajudar a lembrar disso?
Acho que é útil tentar lembrar alguns princípios em minha vida diária:
1.           Apreciação. Se nós temos tudo o que precisamos, o problema é que nos esquecemos esse fato simples. Assim, podemos desenvolver o hábito de perceber o que já temos, sendo grato por isso. Podemos apreciar as pessoas em nossas vidas (em vez de reclamar sobre elas), os bens que já temos (em vez de pensar que precisamos de mais), a comida que costumamos comer (em vez de mitigar (ampliar) o nosso desejo de ainda mais prazeres alimentícios além da conta), os momentos simples que devem ser significantes e preciosos (em vez de precisar de ainda mais entretenimento e distração como festas, baladas e etc).
2.           Respeito . Se nós apreciamos algo ou alguém, podemos tratá-los com respeito. Na tradição Zen, curvando-se para os outros e até mesmo para a sua almofada de meditação são uma parte profunda da prática. Ele mostra um respeito para o mundo em torno de nós, que nos apoia e que estamos profundamente uma parte. Você pode não querer ceder a todos que encontrar, mas você pode fazer um respeito mental para eles, oferecendo respeito internamente, mesmo se você não fazer qualquer sinal de que você está se curvando. 

3.            Voltando-se para os outros . Se já temos o suficiente ... por que se preocupar tanto sobre nós mesmos? Por que não ver o que podemos fazer para os outros? Há outros que estão sofrendo, talvez morrendo de fome ou que enfrentam a violência, ou talvez apenas doentes com ansiedade ou depressão. Não podemos resolver todos esses males sozinhos, é claro, mas se fizermos o nosso melhor para ajudar os outros, tanto quanto possível, talvez possamos contribuir para a melhoria da vida de todos os seres que estão ao nosso redor. Valorize seus amigos, cuide deles. Mas é obvio que você não vai esquecer de você mesmo enquanto faz isso.


"Olhe em torno de nós. Os maiores prazeres da vida são totalmente de graça: o amor, a paz, bondade, família..." O Monge e o Executivo

Acompanhe-me no Twitter 

Nenhum comentário:

Postar um comentário